Genealogia contra o Crime: como árvores familiares estão ajudando a encontrar criminosos

A genética é mesmo fascinante. Desde a descoberta da hereditariedade, até os mais recentes métodos de sequenciamento, temos nos vislumbrado com o potencial deste conhecimento.

No mundo forense, não tem sido diferente. O sequenciamento multiparalelo, por exemplo, não apenas demonstra que a velocidade dos exames relativos ao DNA pode ser muito mais rápida, como também “enxergam” variabilidade genética onde antes não acessávamos de forma eficaz. Mas não é sobre esse método, especificamente, que discutiremos aqui. Fato é que muitos sites comerciais de análise genética tem ofertado uma avaliação de amostrar genéticas de clientes por preços cada vez menores. É o caso do Ancestry, do 23andMe e do MyHeritage, que prometem revelar “as suas origens étnicas e encontre novos parentes com o nosso simples teste de DNA” por cerca de R$ 300,00.

A antropologia forense tem especial interesse nessa abordagem, já que a ancestralidade étnica é uma das características avaliadas pela disciplina (apesar de que a população brasileira é especialmente complicada neste aspecto). Usar aspectos genéticas para essa avaliação é um passo importante e que vem sendo aprimorado há décadas. Mas a aplicação forense dessas avaliações genéticas hoje comercializadas não param por aí.

No MyHeritage, os serviços vão além: oferecem a possibilidade de usuários registrarem informações relativas as suas respectivas genealogias, como nomes, datas e locais de nascimento (e falecimento) de cônjuges, filhos, pais, irmãos, avós, bisavós, tataravós… com ou sem o suporte de um serviço de análise genética. Diante destes dados, confrontam as informações com outros usuários e, com isso, apontam outros ramos da árvore genealógica dos usuários, permitindo encontrar parentes ainda que distantes.

É um serviço apelativo e com muita procura. Afinal, quem não quer ter uma ideia de suas origens? Há tanto apelo que o programa Fantástico de 22/07/2018 fez uma matéria sobre o tema. O MyHeritage reporta que possui o cadastro de 3 bilhões de pessoas em suas árvores de família e quase 100 milhões de usuários em todo o mundo. É bem provável que alguém da sua família já tenha inserido informações acerca da sua família na genealogia da MyHeritage. É divertido pesquisar seus familiares no sistema deles, apesar de pago a partir de um certo número de pessoas da família que o usuário cadastra.

Captura de Tela 2018-07-27 às 22.04.44
Parte da tela do site MyHeritage.com extraída em 27/07/2018[

Neste ponto, alguns dos leitores devem estar se perguntando o que uma árvore genealógica tem a ver com o mundo pericial. Outros, já entendedores dos processos biológicos relativos à hereditariedade, já devem estar desconfiados. Vejamos.

Um dos aspectos mais importantes na perícia é a comparação. Um perito criminal muitas vezes depende da comparação para sua conclusão. Compara-se um projétil coletado num cadáver com outro disparado com uma arma suspeita; compara-se uma pegada levantada num local de crime com calçados de um suspeito; o padrão cromatográfico de uma substância com uma biblioteca de drogas de abuso.

Na genérica forense, a comparação também é usada. Equivale a dizer que de nada adianta a obtenção de um perfil genético de um vestígio de um local de crime ou sob as unhas da vítima se a perícia não tiver com o que comparar. Enquanto em casos de paternidade o material de confronto é oriundo dos pais, no campo criminal advém de amostras de suspeitos ou de um banco criminal de perfis genéticos.

E quando não há material para confronto? Neste caso, até hoje, ou a perícia aguardaria a investigação apontar um suspeito ou arquivaria a informação num banco de dados. Mas agora existe outra abordagem e aqui que entra o pulo do gato: as árvores genealógicas públicas e suas relações genéticas! Genealogistas são os próximos profissionais a proporcionar outro grande avanço na genética forense e isso já está acontecendo no mundo. Uma famosa genealogista americana, chamada CeCe Moore, é uma das pioneiras nessa abordagem. Ela tem confrontado dados genéticos, com censos populacionais, árvores genealógicas e informações de redes sociais para encontrar autores de crimes, e até já chefia uma unidade de genealogia de uma empresa de nome Parabon NanoLabs para fins forenses. O frenesi sobre essa abordagem começou há três meses, quando um um importante homicida em série de crimes cometidos inicialmente há 40 anos foi identificado.

Em abril deste ano, Joseph James DeAngelo, hoje com 72 anos, foi identificado como o Golden State Killer após investigadores compararem o perfil genético de amostras dos casos com os bancos de dados genealógicos da 23andMe e da Ancestry. O Golden State Killer aterrorizou a Califórnia nas décadas de 70 e 80, com homicídios, estupros e roubos, e era considerado um caso arquivado (cold case).

gsk-duo
Um retrato falado do Golden State Killer (à esquerda) e Joseph James DeAngelo, fonte: NPR

No mês seguinte, Moore apontou um suspeito de um crime não solucionado de 1987: um duplo homicídio ocorrido próximo a Seattle. A polícia deu acesso a ela ao perfil genético do caso, supostamente do autor do crime, em uma sexta-feira. Segunda-feira Moore já tinha uma resposta, já que encontrou coincidências entre tal perfil e pessoas da mesma família, de ambos os lados, paterno e materno. Isso a permitiu chegar em um casal que possuia três filhas e um filho. Como sabia que o material genético era de um homem, então, por um processo de eliminação, só poderia ser ele e avisou a polícia. Os policiais seguiram o suspeito e conseguiram seu DNA a partir de um copo que ele descartou. O perfil genético encontrado no copo era o mesmo do autor do crime. William Earl Talbott, 55 anos, nunca figurou entre os suspeitos do crime quando da investigação em 1987, mas naquele dia de maio era preso ao sair do trabalho.

cold-case-arrest-washingt00-jpg
William Earl Talbott, fonte: Time Colonist

Mês passado (junho), a genealogista resolveu outro caso, de um crime ocorrido há 20 anos. A polícia ainda não divulgou as informações e nenhuma prisão foi efetuada até o momento. Mas Moore se surpreendeu com os fatos, se questionando se é possível que alguém mude tão drasticamente: o criminoso mudou totalmente de vida, hoje casado, com filhos, construiu um negócio de sucesso, é conhecido na comunidade, está em redes sociais. Aparentemente, cometeu um ato horrendo e nunca mais agiu criminosamente. Mas a lei é para todos, não é mesmo?